O melão (Cucumis melo) pertence à família Curcubitáceae, seu centro de origem ainda é desconhecido. Porém, estudos indicam que seja a Ásia. Essa espécie pode ser cultivada tanto em regiões tropicais como temperadas com um ciclo que varia entre 55 a 80 dias.

Atualmente, o Brasil é um dos maiores produtores da América do Sul (17%) e é o 19º colocado na produção mundial de melão, sendo os pertencentes ao grupo do inodorus são os mais conhecidos e apreciados. A região Nordeste é a maior produtora nacional, responsável por aproximadamente 90% desta.

Dentre os fatores limitantes da produção do melão ganha destaque a doença conhecida popularmente como oídio causado pelo fungo biotrófico Podosphaera xanthii. Considerada uma das doenças mais e frequente das curcubitáceas, que afeta diretamente a taxa fotossintética da planta que acarreta a redução de rendimento da produção devido a diminuição do tamanho, número e qualidade dos frutos, redução dos sólidos solúveis (°Brix), além de ocasionar o encurtamento do período produtivo.

Distribuição geográfica e condições climáticas para o desenvolvimento do oídio

Essa doença está amplamente distribuída em todas as regiões produtoras de melão e pode ocorrer tanto em cultivo protegido como também a campo, com maior intensidade em locais de altas temperaturas e baixa umidade.

SINTOMAS

O fungo pode atacar toda a parte aérea das plantas, porém, as folhas são as mais afetadas. Os sintomas iniciam-se com um crescimento branco e pulverulento (micélio, conidióforos e conídios) formando pequenas mancha foliares tanto na parte abaxial como adaxial das folhas, reduzido a área fotossintética. Com o avanço da doença a área afetada aumenta de tamanho e pode tomar toda extensão do tecido afetado. A doença também pode causar perda de vigor e reduzir o rendimento da cultura pela redução do tamanho e número de frutos além de alterar o sabor devido à redução sólidos solúveis totais.

Oídio, causado pelo fungo biotrófico Podosphaera xanthii.

Oídio, causado pelo fungo biotrófico Podosphaera xanthii.

Oídio em melão

Assista ao vídeo

CONTROLE

Os métodos de controle mais efetivos para esta doença são: 

Cuidados essenciais

Eliminação de restos culturais após a colheita assim como a retirada de plantas hospedeiras remanentes.

O que evitar

Evitar cultivos sucessivos de curcubitáceas, ou em áreas próximas.

Controle químico

O controle químico é realizado após a constatação dos primeiros sintomas da doença com fungicidas a base de enxofre ou sistêmicos registrados pelo MAPA. Atualmente, há apenas registro de três produtos químicos.

ESTUDOS DE
EFICÁCIA E
PRATICABILIDADE
AGRONÔMICA

CONHEÇA MAIS ESTE SERVIÇO PROMIP

ESTUDOS DE EFICÁCIA E PRATICABILIDADE
AGRONÔMICA

CONHEÇA MAIS ESTE SERVIÇO PROMIP

MIP EXPERIENCE 

NOTÍCIAS

EVENTOS

MIP EXPERIENCE 

NOTÍCIAS

EVENTOS

Deixe seu comentário

© 2018 Promip.